Exibir artigos por etiqueta: Flauta

No seguimento da peça Carta a Kundera (escrita em 2007), Cartas a Mia (2012) representa a minha segunda homenagem a um escritor que, de uma forma mais ou menos indireta, tem estado presente na minha vida artística.
Mia Couto é natural de Moçambique e escreve, entre muitas outras coisas, acerca das lendas, motivações, depressões e sonhos do povo da sua terra.
Estas cartas não têm a intenção de ser descritivas mas… cartas. Como quem escreve uma carta a uma outra pessoa, estas falam mais do remetente do que do destinatário.
Para cada um dos primeiros 4 andamentos, inspirei-me em pequenas frases retiradas de diferentes livros de Mia Couto, completamente removidas do seu contexto original. O meu interesse nestas pequenas linhas foi principalmente fonético. Assim:

I. – …nem barulho nem era.
II. – …divagar, devagar…
III. - …se cintilhaçou em mil estrelinhações.
IV. - …o silêncio é música em estado de gravidez.

V. – Nota do tradutor

Evento/Concerto/Projecto Semana da Composição 2019

Açores, Descoberta de um novo mundo (2014) foi a primeira peça que escrevi para orquestra sinfónica. Quis nela ilustrar musicalmente a descoberta do arquipélago dos Açores em 1427, por Diogo de Silves. Esta obra tem assim um enorme significado para mim porque retrata um episódio seminal para a terra onde nasci.
Embora de curta duração (5’), devido a ter sido escrita para um concurso interno da ESML, a estrutura divide-se em alguns momentos contrastantes, sendo que a parte inicial possuiu um carácter calmo e liso que pretende descrever o mar em que navega Diogo de Silves. Segue-se o clímax da peça, onde a orquestra exibe uma sonoridade brilhante, sendo que esta secção triunfal procura ilustrar o momento da descoberta dos Açores.
Depois da secção da “descoberta” segue-se a descrição da paisagem verde e do mar que envolve as ilhas açorianas, através de um longo solo do fagote apenas apoiado pelas cordas e, por fim, surge a parte final da peça. Nesta parte final procurei reflectir o que se teria passado – psicologicamente – no espírito dos navegadores ao questionarem-se sobre o mistério do interior de cada uma das ilhas.
No entanto, esse mistério ficará – musicalmente – por resolver, uma vez que, não podendo a obra ter mais do que 5’, não tive ocasião de desenvolver o tema na sua plenitude, pelo que a peça termina de forma inconclusiva.
O “mistério” desta peça acabou por ser concluído noutra obra que escrevi em 2015 – “Uma Viagem no Atlântico” - cujo tema é a descoberta e exploração dos Açores, porém a obra nunca chegou a ser tocada.

...from the last breath

Nasce graças a uma série de acontecimentos negativos pela qual atravessei no de 2013 e 2014. Esta quer retratar um vasto número de sentimentos como sofrimento, dor, desespero; mas também mostrar uma que é possível erguer e continuar.

A peça conta com três secções interligadas entre elas: Primeiramente com uma parte lenta no início onde pretendo demostrar a instabilidade, o sentimento de sofrimento e dor. No entanto, ainda nesta secção uma “luz” ao fundo do túnel faz-se ver. Na segunda secção, uma parte contra-estante que mostra a sensação de ansiedade e inquietação. Finalmente a última secção onde pretendi retratar então uma imagem positiva, de continuação.

2019

Ex-Centro

Centro  
Concêntrico  
Concentro  
Com Centro  
Sem Centro  
Excêntrico  
Ex-Centro.  
Um objecto com um centro  
Ou um ex-centro  
Destabilizado.  
Uma calma concêntrica  
Ou uma energia excêntrica?  

2017

Grains

Atoms, particles, samples, grains, etc. Depending on the point of view everything can be one, or be one of many. A ray of light is one, but composed of many particles. This is true not only with light, but with everything we know about this physical world. A sound is a set of small particles, our own body is made of cells, our own society is composed of people, etc. Scientists will probably disagree with me, but since I can only conclude that reality depends on our perception. A set of sound particles, are they a single sound or a cluster of small joints? I don't know, it depends, from that, I just mused all this thought.

Finalist at the 1st Francisco Martins Award 2017 by the Orquestra Clássica do Centro.
Text and voice by Júlia Durand.
Written in 2017 as part of the composition portfolio of my first year (1º) of master's degree at the Escola Superior de Música de Lisboa.

 

Evento/Concerto/Projecto Fora de portas
2011

Paralaxe

Paralaxe é a diferença na posição aparente de um objecto observado de pontos de vista distintos.

Esta peça pretende estabelecer uma relação entre o material musical e o espaço de escuta. A partir da analogia entre a flauta e o corredor, a som desenvolve processos mais ou menos lineares de atraso e reverberação, convidando os ouvintes a percorrerem o espaço e alterarem o seu ponto de escuta. A alteração da perspectiva sonora, e a utilização de elementos arquitectónicos como fontes sonoras pretende integrar a própria arquitectura no discurso musical.

 

Evento/Concerto/Projecto Obras e Textos
Instrumento(s)
2011

Instante

Instante, para orquestra e electrónica, resulta de uma encomenda da RTP/Antena2 para o Concerto de Gala do Festival Jovens Músicos-edição de 2011. Trata-se de uma peça relativamente curta (cerca de dez minutos), articulada em 6 secções contrastantes.

Desde o início do processo de composição que a ideia de "radiofonia" esteve presente. Esta ideia origina a secção inicial, totalmente entregue à electrónica, e projecta-se mais à frente na forma da peça, através de mudanças rápidas entre secções aparentemente contrastantes. A electrónica, tão presente na parte inicial, vai perdendo protagonismo, pontuando apenas algumas passagens, regressando perto do fim, já não em oposição com a orquestra, mas antes em complementaridade e fusão.
Como mudar instante a instante, sem no entanto perder o arco global que liga o inicio ao fim?

 

Evento/Concerto/Projecto Fora de portas

“(…) Tired with all these, from these would I be gone,

Save that, to die, I leave my love alone.”

(William Shakespeare, Soneto 66)

Evento/Concerto/Projecto Semana da Composição 2019

Notas Dispersas sobre “Six Portraits of Pain”
1. Esta peça tem uma relação com seis textos que escolhi. Não é uma peça programática no sentido habitual do termo (como poderia ser?) mas os textos habitam a obra. Estão escritos na partitura e aos músicos é pedida a sua leitura durante a execução. Dessa forma, cinco dos seis textos escritos na partitura existem na obra enquanto presença consciente nos músicos, mas não existem enquanto canto ou fala para os ouvintes. A única excepção é um fragmento de um poema de Anna Akhmatova. Os fragmentos que seleccionei provêm de diversos tipos de testemunhos escritos mas nem todos “literários” no sentido estrito – cartas a amigos, poemas, discursos, frases de livros - e expoêm diversos tipos de sofrimento existencial: perigos do pensamento livre, da dissidência, a perplexidade face ao estado do mundo, traumas decorrentes do inenarrável vivido e (sempre) a presença da morte. Como diz uma parte do texto de Thomas Bernhard “Esta dor constituíu-nos. Esta dor é agora o nosso estado de espírito”. A dor tanto é a dor poética como a dor descrita, vista, sentida ou imaginada...
2. A minha música é inquieta: interessam-me os gestos, a captação de forças, de intensidades. Morton Feldman dizia que para ele tudo era “object trouvé”, mesmo aquilo que ele pensava ter inventado. Os objectos que eu encontro são diferentes, mas às vezes caio igualmente na ilusão de os ter inventado. Há varios anos que falo de “objectos” musicais. E neste caso encontrei também uns poemas. Seria estranho que trabalhar tanto tempo com estes textos ao lado ou na memória não tivesse tido consequências, presenças, na música e no discurso. Tenho algumas convicções sobre este aspecto, poderia partilhá-las, mas nada me garante que não haja outras que me escapam. Escapam-me a mim, mas não escapam à peça.
3. Os Six Portraits of Pain são: 1. Espinosa/Deleuze 2. Thomas Bernard 3. Manuel Gusmão I 4. Akhmatova 5. Cadenza sopra Spinoza 6. Gusmão II e Coda: Paul Celan.
4. Os textos são sublimes. O primeiro que escolhi, de Gilles Deleuze - “Conta-se que Espinosa conservava o casaco rasgado pela faca assassina para se lembrar que o pensamento nem sempre era amado pelos homens” – é, de certo modo, o mais importante porque (me) lançou a obra para a questão fundamental da liberdade do pensamento, da arte, da política e das diversas repressões que marcam as suas histórias. Hesito ainda sobre a inclusão de todos os fragmentos literários nestas notas. A possibilidade da sua leitura poderia orientar a percepção da obra para a procura de uma “significação literal” que não existe, que não pretendi nem quero provocar inadvertidamente.
5. Principalmente porque a relação entre os textos e a música não é linear. Num dado momento tomei consciência de que a estrutura formal da peça apresentava relações internas mais complexas do que a sucessão de Seis retratos/andamentos, como se

durante o trabalho composicional cada texto/retrato/música tivesse ultrapassado a sua localização particular numa página e afectasse o todo de forma irremediável. Estabeleci uma rede de relações entre estes elementos e é dela que deriva a narrativa da peça.
6. Tenho uma posição peculiar em relação a concertos; o carácter habitual atlético- virtuosistico do papel do solista não me atrái. Frequentemente cede-se à tentação exibicionista. Tento sempre outro tipo de solução. Nesta peça há um solista, o violoncelo, dois solistas secundários, dois violinos, e ainda três percussionistas como dramatis personae musicais. Esta divisão (1+2+3=6) tem igualmente uma relação com os 6 retratos e uma tipologia privada das dores.
7. Esta peça dura entre 26 e 28 minutos. Depende dos tempos que forem realizados. Foi encomendada pela Casa da Música e estreada em 2005.
António Pinho Vargas, Março de 2005



Partitura atualizada disponível em: https://editions-ava.com/pt/six-portraits-of-pain-2

 

Textos dos Six Portraits of Pain:

//

1 - Espinosa

"Conta-se que Espinosa conservava o casaco rasgado pela faca assassina

para se lembrar que o pensamento nem sempre era amado pelos homens."

Gilles Deleuze, Spinoza

 

2- Thomas Bernhard

"Durante este meio século todos nós

não fomos mais do que uma grande dor.

Esta dor constituiu-nos. Esta dor é agora

o nosso estado de espírito"

 

3- Manuel Gusmão

" e aberta ficou a boca

...os assassinos nem sequer lha fecharam..."

 

4- Akhmátova

Passei dezassete meses nas bichas da cadeia de Leninegrado.

Uma mulher atrás de mim, perguntou-me ao ouvido [...]

( ali toda a gente sussurrava):

Pode contar isto? Respondi: Posso.

Então, uma espécie de sorriso deslizou por aquilo

que outrora fora o rosto da mulher.

 

5 - Cadenza sopra Spinosa

 

6- Manuel Gusmão II

"Cada parede a que chego é agora sempre a última..."

 

Coda: Paul Celan

Vivemos sob céus sombrios e... existem poucos seres humanos.

Talvez por isso existam também tão poucos poemas.

As esperanças que me restam não são grandes; tento

conservar aquilo que me restou.

//

2018

Run

A peça “Run”, finalizada em 2017, é uma primeira experiência ambos na escrita para a Orquestra Contemporânea da Universidade de Évora e na escrita baseada em material cinematográfico, onde o tema é inspirado no filme “Forrest Gump”.

A peça, no formato de A/B/Coda, inicia com a apresentação do tema, que é desenvolvido de forma contrapontística até à ponte para a secção B, onde as Cordas tocam em conjunto num compasso que diminui progressivamente. Na secção B o tema é retrabalhado novamente em contraponto, numa textura mais leve, e priorizando os Sopros e as Guitarras. Finalizando, segue-se uma ponte para a Coda, onde as Cordas tocam em pizzicato em conjunto com o Vibrafone, seguido da demonstração final do tema em tutti orquestral na Coda.

Evento/Concerto/Projecto Semana da Composição 2018
Pág. 1 de 5